Filatelia nos Presídios

O serviço filatélico e numismático do Correio do Vaticano, emitiu em 10 de maio de 2016 uma série de 2 selos para celebrar o Jubileu da Misericórdia. O selo no valor facial de 95 centavos de euro traz os dizeres “Visitar os Encarcerados”. O desenho mostra um grupo de presidiários atrás das grades, socialmente isolados, que estendem as mãos para um visitante. Ao lado da cela, uma cruz e as armas do Vaticano.

O segundo selo, no valor facial de 1 euro mostra uma mulher que abraça um idoso doente e o olha nos olhos com compaixão. Abaixo estão os dizeres “Visitar os Enfermos”. A tradição de visitar os doentes remonta às origens do cristianismo e está fundamentada nas palavras de Jesus: “Eu estava doente e tu me visitastes” (Mateus 25:36). A artista Orietta Rossi que desenhou os 2 selos foi muito feliz, pois como já disse o Papa Francisco “Tudo aquilo que se compartilha, se multiplica!”. Como profissional de saúde amei também este selo!

Achei os 2 selos fantásticos, mas o primeiro tem a minha preferência, pois me fez lembrar que além do Vaticano, o correio italiano também desenvolve um interessante projeto social com presidiários através da Filatelia. Quem experimenta a expiação de uma pena, sabe o valor de receber uma carta da família. Difícil encontrar uma definição mais abrangente e significativa que a dada por Mattheo Nicholò Boe, detento da prisão milanesa de Opera, para explicar a importância de sua coleção intitulada “Evangelho Filatélico: Um trabalho incentivado pelo defensor dos excluídos, o Papa Francisco”. O título da coleção dele é muito grande, mas a gente dá um desconto.

Este projeto doa selos para os presídios, através do esmoleiro do papa, o Arcebispo Konrad Krajewski, de Mauro Olivieri do Departamento Filatélico da Cidade do Vaticano e do jornalista filatélico Danilo Bogoni, que coordena o trabalho.

Os detidos muitas vezes tem penas que chegam a 40 anos (ou mais) e estão em prisão de segurança máxima. Além de Boe, o projeto ajuda outros filatelistas na cadeia como Vito Baglio, Antonio Albanese, Nicola Mocerino, Diego Rosmini e Luigi Di Martino. Boe já até desenhou um carimbo comemorativo que mostra imagens da sua Sardenha e traz os dizeres: “Além das Duras Barras”. As coleções destes presidiários foram expostas no último dia 28 de setembro, dentro da própria prisão e contou com a presença do Cardeal Angelo Scola e da Presidente do correio italiano, Luisa Todini.

cardeal-scola

Paralelamente à mostra filatélica, houve o relançamento do selo “Visita os Encarcerados”, juntamente com o carimbo comemorativo que será batido em envelopes e cartões postais dos presos. Os envelopes e cartões postais especiais também foram ilustrados por outro preso, Gaetano Puzzangaro. De um lado Gaetano desenhou rostos sorridentes e do outro, homens com lágrimas nos olhos.

 

A venda dos cartões postais será totalmente revertida como doação para as vítimas do terremoto ocorrido em agosto passado e que atingiu as cidades de Amatrice, Accumoli e Norcia. Aproveito para mostrar algumas peças já lançadas dentro ao longo da existência deste projeto de inclusão social.

filatelia_carceri-jpgfilatelia-nelle-carceri indice 15607-immagine1-04

Marcos Boaventura

É formado em Psicologia pela PUC-MG. Possui Pós-Graduação em Metodologia do Ensino Superior, Docência do Ensino Superior, Psicologia do Trânsito e Acupuntura. Marcos começou a colecionar selos por influência de seu pai. É discípulo do filatelista Álvaro de Carvalho. Boaventura é jornalista filatélico, tendo atuado como secretário da ABRAJOF (Nº 266) e Diretor de Eventos da Câmara Brasileira de Filatelia (CBF). Participou da Comissão Organizadora nas exposições: DIAMANTINA-1993, INTERCLUBES-1994, VILA RICA-2005 e BH-100. Atuou como comissário em várias exposições nacionais. Obteve medalha de prata grande na PHILEXFRANCE-1989 e medalha de vermeil grande na BH-100. É Suplentes do Conselho Fiscal da atual diretoria da Febraf.

Comentários

comentarios

Deixe uma resposta